Liga da Justiça de Zack Snyder (SEM SPOILERS)

Depois de tanta polêmica sobre a existência ou não da famosa "Snydercut", a Warner anunciou que a visão original do diretor Zack Snyder chegaria para os fãs. O filme com duração de 242 minutos (4 horas e dois minutos) vem com várias cenas da versão de 2017, algumas modificações e cenas adicionais.

Após a morte do Superman em Batman vs Superman: A Origem da Justiça, as Caixas Maternas despertam (como se realmente sentissem que o mundo não tem mais um protetor). Junto com elas parademônios começam a aparecer e o Lobo de Estepe, comandante das tropas de Darkseid, responsável pela captura das Caixas Maternas.

Três caixas estão espalhadas pelo mundo: uma está na Ilha Paraíso com as Amazonas, outra está no mar com os Atlantes e a última caixa está com os humanos.

Acompanhamos o Lobo de Estepe na sua busca pelas Caixas, enquanto o Batman procura guerreiros e o mundo pode sucumbir nas mãos de Darkseid. Essa é a trama que guia a história, mas vai bem além disso.

Todos os heróis receberam melhores enredos para o filme, principalmente o Cyborg.

Victor Stone é o herói trágico. Um jogador de futebol americano em ascensão que sofre um acidente e  perde metade do seu corpo. Seu pai, um cientista, em desespero o junta a uma máquina alienígena que não tem total compreensão. Victor recebe sua segunda chance, mas ele não compreende e não consegue aceitar sua nova condição. Sua relação com seu pai, sua história e a conexão com as caixas maternas carrega boa parte do filme.

O Flash ainda não é o herói que já trabalha no laboratório Stars. Em Liga da Justiça, ele já compreende seus poderes, mas está sem amigos e luta para tentar achar uma forma de tirar seu pai da cadeia. Barry Allen é usado para a maioria das cenas de humor.

A Mulher Maravilha de Liga da Justiça é uma extensão de seus dois filmes solos, a antiga Diana ainda está aprendendo sobre o amor e a humanidade. Essa Diana já é uma mulher de muitas batalhas, muitos monstros, ela é mais pé no chão e compreende melhor seu papel no mundo. Continua o que foi mostrado em Batman vs Superman.

Aquaman, Arthur Curry, é um bêbado que ajuda vilas, um homem que não se sente nem do mar nem da Terra. As cenas entre ele e Mera e até as cenas de Mera foram melhores contextualizadas, ajudando até entender o papel de Mera no filme solo do herói e como funciona a questão de poder (político, no caso) dela.

Batman, nosso famoso Bruce Wayne, após entender o peso do heroísmo do Superman e com contínuos pesadelos sente que precisa de guerreiros para a batalha que está chegando. Ele utiliza os arquivos apresentados no filme anterior (Batman vs Superman) para encontrar os outros heróis, aqui a velha esperança morta no herói parece reacender. Continuamos vendo sua parceria com Alfred e suas invenções para batalhas.

Por fim, temos Superman. Mesmo com poucas cenas, o que mais me chamou a atenção foi a cena de reencontro de Clark, Lois e Martha que aumentou nesse filme. A cena se torna bem mais emotiva, porque durante o filme o luto das duas mulheres mais importantes na vida desse homem são trabalhadas e o reencontro parece um conforto para Clark. Ele acorda confuso e é com elas que ele encontra seu equilíbrio.

Enquanto, Diana já tem uma boa noção do tipo de heroína que ela é. Barry está dando os primeiros passos para se tornar o Flash que conhecemos, assim como o Cyborg e o Aquaman (que faz isso em seu filme solo). Superman também abre espaço para trazer a esperança de volta a humanidade e isso toca em Bruce Wayne que já tinha perdido as esperanças.

O vilão, Lobo de Estepe, tem uma motivação mais forte agora e está bem mais humanizado. Mesmo com todas as vezes que ele matou pessoas, a cara de assustado em seus encontros com Darkseid me deixou com dó dele.

As cenas de luta estão sensacionais, Lobo de Estepe é violento na sua procura pelas Caixas e não se importa com o caos que deixa por onde passa. Ver a Liga lutando junto também é maravilhoso, os poderes dos heróis estão mais explorados, principalmente o que eles podem fazer juntos.

Aquele pesadelo do Batman em Batman vs Superman finalmente é explicado aqui, inclusive o filme fecha as perguntas do filme anterior, mas não deixa de abrir novas. As quatro horas serviram para apresentar os novos personagens, apresentar as tramas e conectar com o filme anterior, abrir novos caminhos para conexões com heróis que podem chegar e para próximos filmes da Liga da Justiça.

O filme tem várias cenas em slow motion que é a marca registrada do diretor que funcionou muito bem em cenas com o Flash, evidenciando seu poder e em cenas aonde os heróis estavam atacando juntos, mas em quatro horas de filme se tornou um pouco cansativo.

Liga da Justiça de Zack Snyder não é perfeito, mas é um épico e tudo aquilo que você esperava ter visto no cinema ao assistir o encontro da Liga da Justiça.


Vanessa de Oliveira
Instagram: @nessagsr

3 Séries Imperdíveis na Amazon Prime


O mundo das séries não para de crescer, e com o número de streaming também crescendo, não é novidade que a gente acaba voltando para aquela comfort série toda vez que estamos estressados ou não queremos procurar algo novo para assistir (aquele monte de opção também pode estressar).

Então, hoje eu venho com 3 indicações de séries da Amazon Prime para vocês maratonarem e depois me contarem o que acharam. Vamos lá?

Absentia - Durante a investigação de um dos mais notórios serial killers de Boston, a agente do FBI Emily Byrne (Stana Katic), desaparece sem deixar vestígios e é declarada morta. Seis anos depois, ela é encontrada em uma cabana na floresta, lutando pela vida, sem memórias do que aconteceu enquanto estava em cativeiro. Ao voltar para casa, ela precisa lhe dar com o fato que seu marido se casou e tem uma nova esposa, seu filho tem uma nova mãe e não consegue criar laços com ela.
Ao mesmo tempo uma série de assassinatos começam ocorrer e todos eles ligam Byrne como culpada.
Absentia tem um ritmo lento, enquanto coloca a investigação, as memórias de Emily Byrne e sua tentativa de relacionar com a família na tela.


The Wilds: Vidas Selvagens - Essa série adolescente com apenas uma temporada (já foi renovada para segunda), conta a história de um grupo de adolescentes na qual o avião cai no oceano durante uma viagem para o Havaí. Agora esse grupo de naufragadas precisam sobreviver numa ilha deserta, enquanto descobrem o passado e os segredos de uma das outras. Elas só não imaginam que o acidente não é bem o que parece.
The Wilds se sustenta pelo passado das personagens e a lembrança com Lost, alguns pontos da história achei meio absurdo, mas fazem parte do mistério e pode ser mais desmembrado durante a segunda temporada. A série aborda temas importantes e mesmo com alguns problemas, não deixa de ser interessante em nenhum momento.


Arquivo X - Esse clássico está com todas as temporadas na Amazon Prime. 
Todos os casos sem explicações e paranormais ficam no porão do FBI, Fox Mulder ridicularizado pelos seu colegas encontra os Arquivo X e decide retomar as investigações e encontra casos de abduções que parecem envolver uma conspiração do governo para esconder a existência de vida extraterrestre. Quando o FBI designa Dana Scully como sua parceira para fechar de vez esses arquivos, começamos a acompanhar uma trama cada vez maior da procura pela verdade.
Embora as últimas temporadas que retomaram a série escorregou em seu legado, Arquivo X continua mantendo seu legado atemporal.

Vocês já assistiram algumas dessas séries? Vai assistir? Me conte nos comentários.


Vanessa de Oliveira
Instagram: @nessagsr

Resenha: O Divertido Glossário de Jana

Título: O Divertido Glossário de Jana
Autora: Lorena Ribeiro
Ilustração: Quezia Silveira
Páginas: 28
Publicação independente
Para comprar, entre em contato pelo e-mail: contato@eulorenaribeiro.com

Aos sete anos, Jana entra na fase da alfabetização e para gravar melhor o que está aprendendo, ela cria seu próprio dicionário de palavras. Durante a leitura, acompanhamos Jana explorar o alfabeto, cada letra uma palavra e junto com a palavra uma memória.

Quem acompanha o blog sabe que eu adoro literatura infantil, é encantador ver escritores trabalhando para trazer um mundo cheio de possibilidades para todas as crianças. Escritoras e intelectuais como bell hooks e Chimamanda Ngozi Adichie, sempre falam da importância da educação infantil e o quanto é necessário criar jovens conscientes.

Lorena Ribeiro exerceu muito bem esse papel ao escrever O Divertido Glossário de Jana, com a ilustração de Quezia Silveira, a obra traz representatividade e a forma mais pura de alfabetização.

Nossa protagonista é uma criança cheia de criatividade, seu olhar traz um glossário cheio de amor e poesia. Jana tem uma conversa direta com o leitor, acho que isso é bastante importante para a criança se sentir parte da história. Fica muito mais fácil de prestar a atenção na leitura e fazer a associação de palavras com o alfabeto.

A escrita de Lorena é cheia de afeto e trouxe algumas memórias antigas da minha fase de alfabetização. Gosto de pensar em como algumas leituras seriam importantes para o meu desenvolvimento quando criança e O Divertido Glossário de Jana é uma delas.

Recomendo muito essa leitura para pessoas que tem crianças por perto passando por essa fase de descoberta, esse livro é uma ótima opção para auxiliar no desenvolvimento do glossário dos pequenos.

Bruna Domingos
Instagram: @brunadominngos

Como Organizar Filmes e Séries?


Com o número de séries e filmes sendo cada vez mais crescente com o passar dos anos, não é muito fácil acompanhar todas as novidades ou continuar com aquela série longa que já dura anos (sim, Grey's Anatomy, estou olhando para você).

As vezes começamos uma série, abandonamos, depois queremos retornar e não lembramos mais em que episódio paramos, mesmo sabendo o que se passou. A Netflix, por exemplo, tem tantos filmes  e séries que as vezes é complicado ter certeza se já vimos aquilo ou não,  já que os catálogos desses streamings vão adicionando e retirando coisas todos os dias.

Confesso que me estressava muito tentar acompanhar várias séries, não costumo maratonar e terminar tudo em apenas um dia, toda vez que começo achar a série chata, fico pulando de série em série até o dia que retorno para a série que estava me irritando e termino. 

Esses problemas são bem familiares para quem costuma assistir muitas séries e filmes. Como minha vida de seriadora começou muito cedo, eu anotava em papel para me organizar, mas atualmente (obrigada, mundo moderno) uso dois aplicativos: Letterboxd para filmes e o Banco de Séries para séries.

LETTERBOXD

O Letterboxd é fácil de usar, basta ter um login e você pode associar com Twitter ou Facebook, ele tem uma interface intuitiva que permite facilmente adicionar filmes como assistidos ou organizar como um diário colocando exatamente a data que você assistiu. 

Se você adicionar um amigo, as atualizações dele também aparecem na sua tela inicial. O aplicativo é inglês, mas não é difícil de utilizar.

Print da tela inicial

O Letterboxd também permite que você monte listas, classifique os filmes em notas de 1 a 5 estrelas, além de escrever resenhas, opiniões ou pequenos comentários sobre o filme. Além do botão para compartilhar em redes sociais, principalmente no Instagram.
Não costumo fazer listas nem classificar os filmes com nota, eu uso o aplicativo apenas para colocar meus filmes assistidos como diário. Existe a versão Pro que nunca utilizei e nunca vi necessidade com todas as opções gratuitas disponibilizadas atendendo bem para o que necessito.

Print do diário


BANCO DE SÉRIES

O Banco de Séries é um site e tem aplicativo que mantém um registro de todas as séries (também precisa ter login), ajudando a organizar, informando sobre os próximos episódios, exibindo as séries em atraso e muito mais. No caso, do aplicativo as funções são excelentes e a única coisa que encontrei limitada em relação ao site são as badges que você desbloqueia.

O site te dá badges, por exemplo, você ganha badges por comentar episódios, dar notas e completar séries. Ou por ter várias séries de heróis na sua grade, por exemplo. Costumo abrir o site para desbloquear as badges e continuo toda a organização pelo aplicativo.

Quando canso de uma série e sei que não vou voltar, posso colocar na geladeira. O aplicativo coloca as séries em finalizadas, atrasadas, recentes, lançadas hoje e várias formas de organizar. Você pode marcar episódio ou temporada conforme for assistindo e sempre que retornar para uma série que faz tempo que parou consultar o aplicativo.

Print das minhas séries

 
Dessa forma consigo manter minhas séries e meus filmes organizados tanto para criar algum conteúdo aqui para vocês ou para minha própria diversão.

Gostaram das dicas? Vocês também organizam o que assistem? Conte para mim nos comentários.

Vanessa de Oliveira
Instagram: @nessagsr

Resenha: Espere até me ver de coroa

Título: Espere até me ver de coroa
Autora: Leah Johnson
Editora Alt
Páginas: 336

Espere Até Me Ver de Coroa traz a personagem Liz Lighty, uma jovem negra, queer e que detesta ser o centro das atenções. Liz toca na banda da escola e está no seu último ano.

O livro inicia com Liz esperando por uma resposta sobre a bolsa de estudos que está concorrendo, o plano é entrar em Pennington College com uma bolsa para cursar medicina e tocar na orquestra. Quando a resposta finalmente chega, não é uma das mais agradáveis. Liz não conseguiu a bolsa e sua família não tem condições de bancar seus estudos.

Sua única opção é se comprometer com uma coisa que odeia: a festa de formatura da escola. Seu irmão caçula, Robbie, dá essa ideia, pois o rei e a rainha da festa ganham uma bolsa de estudo na tão sonhada universidade. Mas ser rainha da festa não é algo tão simples assim, Liz tem que passar por várias etapas para conquistar pontos, e assim, entrar na corte.

Todo esse processo vai trazer experiências que Liz jamais pensou que passaria e vai fazer com que ela conheça Mack, a nova aluna da escola por quem vai se apaixonar.

"Eu nasci realeza. Tudo o que eu precisava fazer era escolher minha coroa."
 Página 239

A história dessa personagem é cheia de altos e baixos, Liz perdeu a mãe quando era pequena por causa da anemia falciforme e seu irmão Robbie herdou a mesma doença. Aliás, essa anemia é muito comum em pessoas negras, tenho familiar que possui. Isso até ativou alguns gatilhos, pois a anemia falciforme traz medo e momentos tenebrosos para quem sofre da doença. Confesso que chorei em alguns momentos com Robbie, eu amei esse personagem do fundo do meu coração.

Mas apesar dos pesares, os Lighty sempre dão seu jeitinho de sobreviver às adversidades. Algo que reflete bastante a realidade de muitas famílias negras no mundo e a Leah Johnson soube criar um cenário bem representativo.

Claro que as escolas estadunidenses são bem diferentes das nossas no Brasil, a cultura é diferente. Mas por aqui a gente também sabe o quanto o período escolar pode ser cruel para quem não se encaixa no padrão considerado “normal”.

O livro é narrado em primeira pessoa e sempre pelo ponto de vista da Liz, a escrita é bastante fluida e em alguns momentos é difícil abandonar a leitura. Claro que, como todo livro, existe algumas partes mais arrastadas, mas nada que prejudique o ritmo. A autora dosou muito bem os acontecimentos.

Como eu compartilhei no meu perfil do Instagram há uns dias, eu gostaria muito de ter lido esse livro quando estava na escola, tenho certeza de que me daria uma visão diferente sobre beleza. Talvez eu me sentiria mais orgulhosa do quem eu era, pois é isso que Espere Até Me Ver de Coroa traz, nos deixa cientes de que qualquer garota pode chegar aonde quer chegar, mesmo com o mundo dizendo que não. Temos poder para conquistar o nosso espaço e sermos rainhas da nossa trajetória.

Bruna Domingos
Instagram: @brunadominngos

WandaVision: Esperança, dor, luto e o nascimento da Feiticeira Escarlate (COM SPOILERS)



Mas o que parecia um passeio divertido no começo, se tornou um pouco mais sério que isso conforme a história avança. Nos aprofundamos na história de Wanda Maximoff e sua dor, seu luto. A Marvel trabalhou Wanda como um mulher ferida que perdeu seu irmão nos primeiros filmes e com medo de seus poderes e embora a relação de Wanda e Visão teve poucos momentos nos filmes, Visão sempre viu Wanda além de seus poderes e esteve ao seu lado.

O que acontece com alguém que perde tudo? O que acontece com alguém que perde tudo e não tem controle de seus poderes?

Quando os pais de Wanda morreram, seu irmão estava ao seu lado para lhe ajudar ficar longe das sombras e com os pés no chão. Quando seu irmão morreu, Visão se tornou a parte calma e ajudou a manter Wanda longe da escuridão, mas quando Visão morre não há ninguém para ela. Os  Vingadores foram uma equipe durante um tempo, mas não amigos, Wanda não fez amigos durante a vida, sua base foram seu irmão e Visão. E ela perdeu os dois.

Não há ninguém. Da sua tristeza, dor e luto, o caos nasceu cheio de desespero e sofrimento mascarado em memórias e desejo de um futuro que ela não alcançou.

Wanda desolada pela dor com a morte de Visão e sem controle de seus poderes, criou um faz-de-conta na qual eles tiveram uma vida feliz juntos, criaram filhos com poderes, com o tipo de lugar que ela sonhava viver quando criança. Seu desejo pelo seu final feliz não é o suficiente para viver essa fantasia e sem controle de seus poderes, ela consegue parte de sua felicidade, mas também consegue gerar dor.

Depois de vários empasses com Agatha e viver em negação, Wanda finalmente abraça sua identidade de Feiticeira Escarlate, ao mesmo tempo que aceita a responsabilidade pelo dano que causou as pessoas, sabendo que abriu mão da família (mesmo que fantasiosa) que criou.

Nada mais emocionante que seu diálogo colocando os filhos para dormir e seu diálogo com Visão. O amor da sua vida, uma parte esperançosa do seu caos, um pedaço que ela carregará para sempre.

A série não teria destaque sem a atuação de Elizabeth Olsen que carrega dentro da sua atuação a doçura, a dor e ao mesmo tempo a força da personagem, trazendo humor, confusão, sendo mãe, heroína, feiticeira e badass do começo ao fim. Seu olhar traz todos os traumas de Wanda e ao mesmo tempo traz o humor para equilibrar a série nos momentos necessários.

Monica Rambeau também ganhou um espaço para um chamado que pode ser sua participação em Capitã Marvel 2. Já Darcy e Jimmy que protagonizaram cenas engraçadas e foram um destaque e tanto ficaram em segundo plano na parte final sem muita utilidade, ainda acredito que a Marvel tenha planos para os personagens no futuro.

WandaVision deixa para o final uma Wanda dividida entre uma feiticeira poderosa e sua parte humana traumatizada e sozinha reaprendendo a viver através do luto. Tentando encontrar seu espaço no mundo.



Vanessa de Oliveira
Instagram: @nessagsr

Parceria 2021: Time de Leitores Companhia das Letras


Olá, leitores! Temos uma novidade incrível para compartilhar com vocês ✨

Desde o início da semana estamos fazendo parte do Time de Leitores 2021 da editora Companhia das Letras.
Eu não sei vocês, mas nós aqui estamos explodindo de felicidade. Esperamos que essa troca enriqueça ainda mais o conteúdo do blog e que possamos alcançar ainda mais leitores.

Postamos a notícia lá no Instagram, mas queremos deixar registrado aqui também. Essa é a primeira parceria do blog como Leia Pop com uma editora.

Agradecemos demais a @companhiadasletras pela oportunidade, é gratificante perceber que esse projeto está gerando frutos!