26/07/2020

 

She-Ra e o Sacrifício do Herói


Se você não assistiu o final de She-Ra na Netflix, recomendo que termine a série e depois retorne para esse texto. Ele irá abordar aqui algumas características da protagonista e falar sobre o final da animação com spoilers.

Nós amamos histórias de heróis. Amamos acompanhar a jornada dessas pessoas que abandonam tudo que conhecem pelo bem maior, seja porque querem proteger os que amam ou seja porque querem tornar o mundo melhor. A jornada de um herói nunca deixa de ser uma experiência maravilhosa de se acompanhar.

Também é comum nas histórias de herói, um personagem se sacrificar pelo bem maior. Com sua vida como Tony Stark e Natasha Romanoff no final de sua jornada em Vingadores, Luke Skywalker em Star Wars, Jack em Lost ou com um custo emocional muito grande como Frodo em O Senhor dos Anéis, Clarke em The 100, Sameen Shaw em Person of Interest e Sara em Orphan Black.

Se você acompanhou She-Ra e As Princesas do Poder também acompanhou mais uma história de uma heroína se sacrificando para o bem maior. Como na maioria das histórias, Adora iniciou sua jornada abandonando a Zona do Medo ao descobrir que trabalhava para o lado do mal.

A primeira ação de Adora ao iniciar sua jornada marca a característica que carregou a personagem durante as 5 temporadas da série: ela acredita que por ser a She-Ra precisa resolver tudo sozinha e consertar todos os problemas. E ao decorrer da série ao tomar essa primeira decisão de abandonar a Zona do Medo para consertar as coisas, ela abandona Felina (esse seria o gatilho final para o ciclo de abuso de Felina a tornar vilã).

Essa característica marcante de Adora também é uma característica marcante de vários heróis em várias histórias. Ser um herói significa se doar ao próximo, salvar a todos mesmo que isso signifique sua morte ou mesmo aquele custo emocional na qual o herói nunca conseguirá se recuperar e talvez irá escrever um livro, viver sozinho numa vila, mas com a consciência limpa que salvou a todos.

Na última temporada de She-Ra, Adora está enfrentando as consequências de ter quebrado sua espada e a culpa por não estar conseguindo salvar a todos. Em um dos episódios, ela conversa com a antiga She-Ra, Mara, que tenta mostrar para a heroína que salvar a todos que ama não poderia vir com o custo da própria felicidade, ela mesmo havia se sacrificado para que Adora não precisasse passar pelo mesmo.

Para salvar alguém que se ama é preciso aprender amar a si mesmo. Toda história de herói tem o custo da felicidade própria, um altruísmo maior sobre a felicidade do mundo sobre o custo da felicidade e o emocional do próprio herói. Ao salvar o mundo, ele nunca consegue salvar a si mesmo.

Uma jornada de cinco temporadas foi construída para mostrar a Adora tanto a consequências de suas escolhas baseada em seu altruísmo quanto para seu paralelo Felina. Enquanto, Adora encara uma jornada interna sobre o aprendizado de compartilhar o fardo de salvar o mundo junto com seus amigos, Felina tem sua jornada interna de encontrar perdão e fazer o melhor que pode na situação que se encontra.

Esse paralelo de ambas que carrega todo o coração da série sobre a jornada do herói e seu sacrifício, no final de tudo uma precisava da outra para entender o que tudo isso significava e ter um propósito maior sobre salvar a todos, amor e escolhas.

No final, Adora consegue salvar a todos e encontrar a felicidade com seus amigos e o amor de Felina. Ela aprende através de Felina, de Mara e de seus amigos que ela não pode salvar o mundo sozinha e que amar seus amigos e salvá-los não significa não amar a si mesma e se abandonar.

O sacrifício do herói não precisa ser sobre alguém que aprende amar as pessoas e é altruísta o suficiente para salvar a todos, mas sobre alguém que aprende a amar as pessoas e a si mesmo e com isso salva a todos e a si.


Vanessa de Oliveira
Instagram: @nessagsr

10 comentários:

  1. Oi, Vanessa como vai? Eu adorava assistir She-Ra quando passava na tv aberta. A versão Netflix eu não assisti. Sua análise ficou maravilhosa, parabéns! Adorei. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nessa, tudo bem?
    Eu pulei a análise porque ainda pretendo assistir She-Ra.
    Quando eu conferir, volto aqui pra espiar o post e conferir sua opinião sobre o final. :D
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Confesso que esses remakes da Netflix não me agradaram muito. Apesar de trazerem várias mensagens sobre amizade, sacrifícios e tudo mais, eu sempre terei a imagem icônica da She-Ra dos anos 1980, com aquela animação clássica e mais ação e aventura do que as versões novas.
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

    ResponderExcluir
  4. Olá, Vanessa.
    Eu assistia a She-ra antiga que sou dessa época. Esse nova versão ainda não assisti. Mas adorei sua analise. O ruim é que a gente não quer ver ninguém se sacrificando no final. Gosto de ver todo mundo vivo e feliz hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi Nessa!

    Confesso que eu nunca acompanhei She Ha heheheheh
    Mas achei muito interessante a sua análise sobre o papel do herói

    Beijos!
    Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  6. Oi, Vanessa!
    Nunca assisti à versão antiga e nem sabia que existia uma nova :P
    Mas adorei a sua reflexão e comentários sobre a série!

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
  7. Confesso que esse não é o tipo de animação que me chama a atenção, mas meu marido gosta, então eu não li algumas partes com spoiler para poder indicar a animação pra ele e não contar o que eu já sei, haha.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia a heroína e nem a história. Estou meio por fora da Netflix nesses últimos tempos. Mas já gostei do traço, e a história parece ser muito interessante, e a protagonista principalmente.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Vanessa, eu amei seu texto sobre heróis, me lembrei muito do Superman, inclusive. Eu só vi a primeira temporada de She-Ra, mas preciso terminar. Fico feliz que o final tenha sido bom!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  10. Vou te contar logo que amo spoiler, sempre me deixa mais curiosa, e foi o que aconteceu aqui hahaha. Nunca tinha nem ouvido falar, mas agora já quero correr logo pra Netflix.

    Beijinhos,
    Renata

    ResponderExcluir