Literatura Africana: Paulina Chiziane



Na temporada 17/18 – achei que nunca descreveria uma época assim se o assunto não fosse futebol – eu tive a mais incrível experiência da minha vida em um intercâmbio de quase um ano em Moçambique, talvez a colônia portuguesa que menos perdeu sua essência original. Afinal, em terras africanas, não há raíz que não batalhe para ser devidamente conservada.
Lá eu presenciei momentos mágicos e sobrevivi a aventuras insanas. O começo foi incrivelmente complicado. Mas, natural, leva um pouco de tempo para pegar o andamento das coisas, mais precisamente de Maputo, capital, onde eu vivi todo esse tempo. E foi na segunda metade de minha estadia que decidi pesquisar a vida e a história do país, de sua capital e de seus personagens expoentes. E é a partir daqui que começa a história que quero contar.

O Clã das Pretas criou um desafio de leituras chamado ‘Pretatona’, que como o nome já diz, estipula um itinerário de livros com protagonismo preto. Este protagonismo, definitivamente, é um lugar de fala em que eu não entro.  Mas, presto todo meu apoio e respeito a uma causa que envolve literatura juntamente da figura preta e feminina. Âmbitos esses que tem minha profunda admiração. E existe alguém que precisa ser lida, e que tem uma obra que deve ser contemplada. É uma mulher, preta, moçambicana, viva e muito presente. Se me permitem...

Interessei-me pela história de Paulina Chiziane quando fui convidado a participar de um espetáculo litero-musical em Moçambique, com o ator brasileiro Expedito Araújo e com a atriz moçambicana Melanie de Vales – atriz de um excelente filme chamado ‘Comboio de Sal e Açúcar’, outra recomendação que solto por aqui – onde contemplávamos a obra de escritores nativos de países lusófonos. Recitei um trecho de um livro chamado ‘Balada de Amor ao Vento’, que era de uma beleza estonteante e que me aguçou o desejo de saber e ler mais. Foi uma enxurrada de informação que me fez ter certeza que a figura de Paulina está além de mais uma poetisa africana. E explico.

A escritora, que hoje tem 65 anos, é uma das maiores e melhores manipuladoras da língua portuguesa, talento recebido por um completo acaso. Quando nasceu em Maputo, na época chamada Lourenço Marques, falava os dialetos usados na época: Chope, Ronga e o mais popular deles, Changana. Aprendeu a herança dos portugueses em uma escola religiosa – atividade obrigatória no período colonial – e a curiosidade a levou ao curso de linguística da Universidade Eduardo Mondlane, faculdade mais popular do país. E é dado o início a uma juventude de lutas! Paulina foi uma das primeiras e poucas mulheres a se associarem a uma frente política e teve coragem para se desvincular da mesma quando achou que devia, mesmo contra pressão dos companheiros de partido.

Niketche - uma historia de poligamia (Portuguese Edition ...Na política ou fora dela, sua luta sempre foi a favor da liberdade feminina e de que a poligamia deveria ser normalizada não só para homens (que quando não a fazia legalmente, fazia ilegalmente). Dessa batalha surgiu o seu maior filho: Niketche – Uma História de Poligamia. Ganhei este livro no natal que passei por lá, de um amigo também brasileiro. E foi, sem duvida, a leitura mais significativa que me passou os olhos. E digo isso literalmente, pois são ‘signos’ ou ‘símbolos’ as maiores referências nessa escrita densa de Paulina. Simbologia que já começam pelo título: Niketche é uma dança popular do norte do país, que ela mesma descreveu como ‘a dança do sol e da lua’. A narrativa nos entrega uma relação, claro, poligâmica em que todas as mulheres moçambicanas envolvidas representam alguma peculiaridade geográfica do país, enquanto o único personagem masculino é a representação da sociedade, como um todo. Já conseguimos sentir por esses pontos as tonicidades que o livro traz, não? Essa obra é um manifesto de sororidade, e um aviso de que a justiça e a liberdade feminina precisam existir concomitantemente, e para ontem!


GRIFO NOSSO: “Eu, mulher: por uma nova visão do mundo”, de Paulina ...Paulina, como mulher africana, já viveria naturalmente as margens. Até porque, quando se fala em literatura moçambicana, para muitos o primeiro nome que a memória busca é o de Mia Couto, homem branco. Claro, não menos talentoso por isso. Mas mesmo com o monopólio de Mia nas premiações literárias, em 2003 ele foi obrigado a dividir seu troféu com Paulina. Isso a tornou a primeira mulher premiada internacionalmente do país. O próprio Mia Couto a respeita como uma verdadeira heroína - que realmente é. Apesar de fora da política, Paulina foi frente de diversas discussões a favor da pauta feminina. Todo o continente africano é demasiadamente machista e por vezes ofensivo, literalmente, com as mulheres. Mas se hoje elas ainda podem comemorar uma caminhada digna e cultivar a esperança de viverem dias melhores, devem tudo isso a trajetória de Paulina Chiziane.

Paulina se aposentou em 2016 dos livros, contos e poemas. Alegou estar cansada de ser brava em toda batalha que lhe era dada. Extremamente compreensível. Carregar o peso da liberdade da mulher africana nas costas não deve ser fácil. A parte poética disso tudo é saber que ela venceu guerras, por ela e por todas suas irmãs, usando como arma não as famosas AK-47 estampadas na bandeira moçambicana, mas sim seu papel, sua caneta, e seu português (quase) religioso.

Renan Augusto Dias
Instagram: @renanaugusto.dias

Comentários

  1. great post!thank you for your share!Love it!
    hair bundles luxhairshop

    ResponderExcluir
  2. Oi Renan, tudo bem?
    Que post interessante, ainda mais por trazer sua vivência lá também.
    Eu não conhecia a autora, mas achei fantásticas as pautas que ela apoia. Sabemos que mulheres negras são ainda mais oprimidas, e ver obras que amplifiquem essas vozes e falem sobre suas dores é muito importante, pra que a gente possa entender melhor e abrir os olhos enquanto sociedade.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  3. Ela usou a arma que realmente faz a diferença no mundo, né? Adorei conhecer um pouco da história dela! Obrigada por compartilhar com a gente! ♥

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem? Belíssimo relato o seu. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Renan,
    Confesso que não a conhecia, mas sou grata pela sua postagem, pois é o tipo de literatura e de pessoa que precisamos espalhar pelo mundo sim. E é exatamente o que você falou, podemos não ter propriedade para falar sobre certos assuntos, mas o apoiamos e o respeitamos.
    beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário