22/04/2020

 

Resenha: Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas

Título: Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas
Autor: Raphael Draccon
Editora LeYa
Páginas: 438

Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas foi um grande presente para o meu 2020, eu já tinha a obra na estante há muitos anos, mas só li em fevereiro com o clube de leitura que participo (@canseideserie). Ler livros do gênero fantasia que entregam aquilo que prometem, é sempre satisfatório.

O livro nos traz várias referências dos contos de fadas mais famosos, começando por uma das personagens principais, a Ariane Narin, ou como muitos gostam de chamar, Chapeuzinho Vermelho. A história acontece no mundo de Nova Ether, mais especificamente em Andreanne, capital do reino de Arzallum, governado por Primo Brandford e seus filhos, Axel e Anisio. Eles não são descendentes de nenhuma família nobre, mas conquistaram a confiança do povo quando Primo lutou contra as bruxas e trouxe paz ao continente.

Nesta realidade, o mundo é protegido por avatares poderosos, mas que tomam a forma de fadas para lidar com os seres humanos do continente etéreo. Na era antiga, parte dessas fadas se rebelaram e "sucumbiram às tentações com as quais deveriam apenas testar os seres escolhidos", tornando assim, grandes antagonistas dos heróis das fábulas. 

Quando essas fadas caídas deixaram de lado a magia boa e começaram a praticar a magia ruim, começaram os dias mais sombrios do reino, e assim, iniciou uma caça às bruxas liderada por Primo (depois disso, o mesmo foi reconhecido como Rei).

Anos após o ocorrido, coisas estranhas começaram acontecer novamente em Arzallum, mas agora com três personagens importantes: os irmãos João e Maria foram atraídos por uma casa toda revestida por doces e se tornaram reféns; Ariane, em uma  de suas visitas a avó, presenciou um lobo devorando a velhinha e teve seu chapéu coberto por sangue. Antes de ser a próxima refeição, ela foi salva por um caçador que passava pela redondeza, e depois desse episódio, ficou conhecida como Chapéu Vermelho. 

João e Ariane são grandes amigos e essas tragédias foram chaves para entender o que está acontecendo em Arzallum. Será que as bruxas foram realmente aniquiladas? E o mais importante, será que todas as bruxas são realmente ruins? Essas respostas eu não vou dar ou explicar aqui, aliás, qualquer detalhe a mais pode servir de spoiler e acabar com momentos importantes da leitura.

Caçadores de Bruxas é o primeiro de uma série de quatro livros, o quarto ainda não tem data de lançamento. A escrita de Raphael Draccon quebra qualquer tipo de preconceito que alguém possa ter com livros nacionais de fantasia. É cativante e o narrador conversa com você, te faz querer gravar cada momento para entender o que vem nos próximos capítulos. Ainda antes de começar a história, temos um mapa de toda Nova Ether, com seus continentes e reinos, possibilitando a noção de espaço geográfico durante a narrativa.

Neste primeiro livro, foi interessante o destaque a cultura, isso mesmo, há muitas referências literárias. O autor conseguiu dar um novo contexto a grandes personagens já existentes. Destaco também que, dentro da narrativa, é dada a importância devida ao teatro e o seu papel de contar as histórias heroicas de um povo.

Tenho algumas ressalvas, é claro, ao uso dos termos "magia branca" e "magia negra". Você deve ter notado que na resenha eu usei as palavras "boa" e "ruim", pois não me sinto confortável com as originais usadas no livro. Eu entendo que, na época do lançamento, o debate sobre o uso de palavra que faz referência pejorativa/preconceituosa à raça não era intenso como hoje, então, tanto o autor quanto a editora deixou passar. Eu não sei se essas palavras estão sendo usadas na sequência da série, mas espero que tenham mais cuidado em relação a isso. Fiquei bastante incomodada.

Para finalizar, Dragões de Éter deve ser apreciado por todos os amantes de fantasia e por quem deseja se aventurar nesse gênero. É empolgante e te faz refletir sobre você mesmo e as relações com quem está em sua volta. A empatia pelo próximo e o bem coletivo foram pontos que me tocaram durante a leitura.

Bruna Domingos
Instagram: @brunadominngos

11 comentários:

  1. Oi Bruna, tudo bem?
    Adorei a resenha, mesmo não tendo taaanto interesse nos livros do Draccon.
    A ressalva sobre magia branca e magia negra foi perfeita, não poderia concordar mais.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  2. Oi, Bruna como vai? Livros de fantasia são quase sempre agradáveis de serem lidos. Este livro eu não conhecia e fiquei tentado a lê-lo depois de ler sua esplêndida resenha. Quanto ao uso da magia negra e magia branca em sua colocação foi perfeita. Me parece um livro espetacular, principalmente para quem é amante do gênero. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Normalmente, não leio livro de fantasia. Mas esse pareceu ser bem bacana! Adorei as referências e esse ponto do uso das palavras, agora eu acho que autores e editoras vão ficar mais atentos. Pelo menos, espero! :)

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, Bruna.
    Eu confesso que não li esse livro e os outros do autor influenciada por meu sobrinho. A gente sempre leu tudo junto, desde criança e os gostos são muito parecidos, tirando o King que ele ama. E como ele não gostou acabei deixando de lado. Mas quem sabe eu leia futuramente. Vou esperar sua opinião sobre os outros livros para saber se leio ou não.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. O gênero de fantasia não é meu favorito, principalmente as histórias que envolvem magia. Mas eu gostei de conhecer um pouco mais sobre o livro.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho o box com a trilogia aqui em casa e acredita que ainda não comecei a ler?.. esses estão aqui parados mais de 5 anos :(
    Agora quero começar logo essa leitura.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Bru!
    Eu tenho o box mas até hoje não consegui ler rsrs
    a sua resenha me abriu uma outra visão sobre o livro. Gostei que foi sincera... Faz tempo que nao me arrisco por fantasias, mas tenho um pé atrás de se perder um pouco durante a história. O Raphael é bom, mas fiquei meio pé atrás com outras leituras que fiz dele, sabe? So preciso criar coragem, porque acho interessante essa outra visão sobre historias que ja conhecemos ...

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  8. Oi Bruna, tudo bem; Eu não conhecia a obra, mas pela resenha, apesar da ressalva ao termos, parece uma excelente fantasia! E gosto bastante de livros com referências a contos de fadas!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  9. Olá Bruna,

    Essa série está na minha lista de desejados, mas li muitos comentários negativos sobre ela, mas mesmo assim quero conferir.


    Beijos.


    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi Bruna,
    A outra opinião que li sobre a obra tinha sido negativa, então nunca olhei de maneira interessada ela. Fico feliz que tenha gostado, posso dar uma chance no futuro.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Olá Bruna,
    Já tinha visto o livro pelas prateleiras das livraria, ele me chamava atenção mais nunca peguei pra saber do que se tratava. A agora penso com eu perdi tempo, o livro parece maravilhoso, sou muito fã de fantasia então livro assim enchem meus olhos. Com certeza vou botar ele na minha lista de desejados.
    Bjssss


    Helo
    https://pensamentossoavento.blogspot.com/

    ResponderExcluir