05/02/2020

 

Resenha: A revolução dos bichos

Título: A revolução dos bichos
Autor: George Orwell
Editora Companhia das Letras
Páginas: 112

A Revolução dos Bichos, de George Orwell, foi uma das leituras que concluí no ano passado e que eu estava guardando para fazer resenha. Tanto a simplicidade na escrita do autor, quanto os detalhes do enredo, não deixam a desejar. 

Depois de terminar a última página, eu pude entender o porquê dessa história ser tão aclamada e considerada um clássico atemporal. A perversidade do ser humano diante do poder nunca acabou, esse livro foi publicado em 1945 e é assustador o fato de podermos encaixar essa história dentro de sociedades atuais. 

O enredo se passa na Granja do Solar, propriedade do Sr. Jones que liderava o local. Porém, com o passar do tempo os animais começaram a se cansar de toda a dominação do homem e decidiram se rebelar. À frente, estava o Porco Major, que não pôde viver a tempo de ver a revolução acontecer, mas deixou ensinamentos nomeados de Animalismo que guiariam os bichos dali em diante. 

Os sete mandamentos dos bichos 
1. Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é um inimigo; 
2. Qualquer coisa que ande sobre quatro pernas, ou tenha asas, é amigo; 
3. Nenhum animal usará roupas; 
4. Nenhum animal dormirá em cama; 
5. Nenhum animal beberá álcool; 
6. Nenhum animal matará outro animal;
7. Todos os animais são iguais.

Após expulsarem o Sr. Jones, a granja passou a se chamar Granja dos Bichos e nas novas leis, todos eram considerados iguais, mas, alguns eram mais iguais que outros. Os porcos sempre foram vistos como os mais inteligentes, por isso se mantiveram na liderança dentro da revolução. 

Tudo parecia caminhar muito bem após a expulsão dos humanos da fazenda, a liberdade parecia ser real, os porcos aprenderam a ler e a escrever e foram se tornando cada vez mais fortes. O porco Bola de Neve estava no comando e tinha várias ideias interessantes para o desenvolvimento do local e tinha uma boa administração, mas haviam porcos que não estavam tão felizes assim com tudo isso e começaram uma campanha contra as ideias do Bola de Neve. Quando surgiu o plano de construir um moinho para facilitar o trabalho dos bichos, o porco Napoleão foi contra. Em uma nova eleição para escolherem um novo líder, Napoleão arma uma cilada para Bola de Neve, o expulsa da fazenda e o taxa de traidor por abandonar a todos. 

Agora, Napoleão é o novo líder e sem que os animais percebessem, ele começou a se tornar um ditador. Estava sempre protegido por cães ferozes, exigia cada vez mais trabalho dos bichos, que por sua vez, tinham menos tempo para descanso. Aproveitando da ignorância de todos, Napoleão iniciou, de maneira sutil, uma mudança nos mandamentos do Animalismo. O que era proibido, para ele se tornou uma regra flexível e de um líder acessível, acabou se tornando uma espécie de sábio intocável. Os animais começaram a viver uma nova ditadura e nem sequer entendiam, eram escravos da própria ignorância. 

Toda essa história faz crítica ao mito soviético que George Orwell observou na época, Bola de Neve representava o que o bom socialismo deveria ser e Napoleão representava o que não deveria acontecer, mas que infelizmente ocorria em alguns países que tinham esse regime como influência. 

É importante destacar a genialidade do autor em descrever a personalidade dos bichos dentro da granja, cada um representava um arquétipo de cidadão que era dominado por esses governos. Existia o que confiava em tudo que o líder falava, o que era desconfiado, mas não se atrevia em bater de frente e os que se revoltavam e pagavam um alto preço por não ter apoio suficiente dos outros bichos. 

Essas descrições são familiares, não são? 

Em cada palavra desse livro você sente a ironia do autor, as vezes é sútil e as vezes você até ri, não porque é engraçado, mas porque é desesperador ver a facilidade que uma sociedade tem de acreditar em certas mentiras quando convém. Entendo agora porque essa leitura sempre pareceu tão obrigatória, George explicou de forma simples como um regime totalitário acontece. Serve para todos.
“A vida de um animal é feita de miséria e escravidão: essa é a verdade nua e crua.”

Bruna Domingos
Instagram: @brunadominngos

8 comentários:

  1. Olá...
    Adorei sua resenha!
    Fiquei com muita vontade de ler esse livro, os fatores que compõe o enredo parece tornar a leitura sublime... Gostei bastante de seus comentários!
    Dica anotada!
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Bruna como vai? Este livro é maravilhoso, eu o li já tem um tempinho, contudo lendo sua resenha fiquei com vontade de relê-lo novamente. Essa obra é obrigatória, e infelizmente continua bastante atual. Parabéns pela resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Bruna.
    Quero muito ler esse livro. Assim que conseguir comprar ele vou ler. Como é atual o que o autor escreveu. E fico aqui pensando com fugir disso porque sempre vai ter um mais esperto que vai se aproveitar da ingenuidade das pessoas.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Vou ler esse livro, estou interessada em ter cada vez um estilo de vida mais sustentável, apesar de não poder abolir por completo os animais da minha alimentação, por questões de saúde.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderExcluir
  5. Essa história é incrível, mas bem como você falou, no estilo desesperador mesmo. Como pode uma história tão antiga ainda ser tão atual não é mesmo?!

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  6. Estou com esse livro aqui mas ainda não o li. Conheço a genialidade do autor e fico sempre chocada com o quanto ele se mantém atual mesmo após décadas.
    Gênio! <3

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
  7. Tenho uma amiga que virou vegana por ter lido esse livro. Ela disse que ele é muito impactante. Tenho muita vontade de conhecer ele mais a fundo! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Bruna,
    Estou de olho na versão HQ desse livro, achei tão bonita e seria uma leitura mais ágil para mim.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir