26/02/2020

 

Resenha: Cuco

Título: Cuco
Autora: Julia Crouch
Editora Novo Conceito
Páginas: 464

Em Cuco, Julia Crouch nos traz a história de Rose, que leva uma vida tranquila com seu marido, Gareth, e suas filhas. Nem sempre foi assim, o casal teve momentos difíceis no casamento, mas após terminar de reformar a casa de campo, a vida deles começou a ficar mais tranquila e feliz. Gareth se tornou mais afável, as filhas ficaram cada vez mais saudáveis e educadas e o convívio social satisfatório. 

Num certo dia, Rose recebe uma notícia inesperada, o marido da sua melhor amiga de infância, Polly, faleceu em um acidente de carro. Sem pensar duas vezes, Rose chama Polly e os filhos para passarem um tempo em sua casa, contrariando a vontade de Gareth. 

Bom, como já está escrito na capa do livro: seu primeiro erro foi convidá-la a entrar. 

Polly é uma cantora que viveu seus dias de glória, mas o consumo de drogas e os problemas psicológicos a afastaram dos palcos. As duas amigas sempre compartilharam uma vida conturbada, Rose não era amada pelos pais, sofreu abusos psicológicos e físicos, enquanto Polly tinha uma vida desregrada. 

A chegada da amiga fez com que a rotina da família de Rose mudasse completamente. De maneira sutil, Polly manipulava para que a estabilidade da casa se perdesse e comportamentos estranhos começassem a acontecer a partir de Gareth, que como dito ali em cima, ele era totalmente contra a presença de Polly na casa e agora parecia defender a permanência dela. 

Rose recebia vários sinais de que tinha algo errado e que tudo estava saindo do seu domínio. De mãe dedicada, ela passou a ser vista como neurótica e violenta. De esposa feliz, passou a ser desconfiada e paranoica. Mas nada acontecia para que alguém conseguisse tirar Polly daquela casa, Rose não tinha forças para simplesmente expulsá-la de lá, e vivia sob o tormento de que seu passado pudesse vir à tona. Ou seja, a vida de Rose estava nas mãos de Polly. 

Cuco foi o último livro que li para fechar o Desafio Leia Mulheres 2019. Eu iniciei a leitura sem colocar muita fé e graças as expectativas não criadas, eu tive várias emoções do início ao fim. Durante a leitura eu ri, chorei e senti raiva, muita raiva mesmo. 

É horrível você começar a perceber uma situação de opressão e não poder fazer nada, por isso é importante enaltecer a narrativa da autora, ela conseguiu me pegar nesse sentido. Mas, eu acredito que a Julia tenha pecado nos diálogos onde deveriam haver confrontos de igual para igual entre os personagens. A agonia de ver situações injustas não era compensada com um grande diálogo que poderia ter acontecido entre os protagonistas. 

Eu não vou entrar em detalhes, mas já vi algumas críticas negativas em relação ao final desse livro, mas eu discordo completamente de todas elas. Essa história poderia ter vários fins e cair no clichê de que o bem sempre vence o mal, mas eu só posso dizer uma coisa: o final é excelente. Não era o que eu esperava, obviamente, mas tornou a história mais próxima do que poderia acontecer se fosse a vida real. 

A leitura é rápida, são mais de 400 páginas que passam sem você perceber, tudo porque a Editora Novo Conceito caprichou na diagramação. Para quem busca uma leitura coberta de emoção e um pouco de suspense, recomendo Cuco.

Bruna Domingos
Instagra: @brunadominngos

3 comentários:

  1. Oi, Bruna como vai? Eu não li este livro, apesar de já o conhecer devido aos inúmeros elogios que já vi sobre o mesmo. Ao ler sua resenha me parece uma leitura envolvente do início ao fim e fiquei curioso por lê-lo. Gostei de saber você relatando sobre o final deste livro, que para você foi excelente. Sua resenha ficou muito bem explicada. Eu adorei. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá, Bruna.
    Eu li esse livro na época que lançou e gostei muito dele. E achei o final muito bom também. Se fosse diferente a história não teria a mesma qualidade.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  3. A parte boa de não criar expectativas é que a gente se surpreende positivamente! Amo quando isso acontece. :) E, gente, o livro tem cara de prender do início ao fim! E já de quebra senti raiva do marido dela e da Polly! Ela tem cara de ser maquiavélica hahaha! Enfim, dica anotada. ^^

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir