16/02/2020

 

Oslo, 31 de Agosto (2011)




Título Original: Oslo August 31st
Título no Brasil: Oslo, 31 de Agosto
Diretor: Joachim Trier
Roteiro: Eskil Vogt e Joachim Trier
Sinopse: O filme mostra um dia na vida de Anders, um jovem viciado em reabilitação, que consegue uma breve licença para deixar seu apartamento a fim de comparecer a uma entrevista de emprego e encontrar velhos amigos em Oslo.


ALERTA DE SPOILERS!

Como Reprise, Joachim Trier entrega um filme sem reviravoltas mirabolantes. Oslo, 31 de Agosto é apenas mais um filme cheio de sua melancolia característica e um pouco de esperança.

Anders (Anders Danielsen Lie) conseguiu uma entrevista de emprego e uma licença de 24 horas da sua reabilitação para sua entrevista e se reconectar com sua família e amigos. Essa oportunidade parece perfeita para visitar seu melhor amigo Thomas e nesse momento começamos a ter um vislumbre da vida de Anders.

Aos 34 anos, Anders não tem emprego há cinco anos, sua situação financeira e seus problemas com drogas obrigou seus pais a vender sua casa e mais do que reconexão com seus amigos e família, ele quer uma reconexão com sua ex-namorada que se mudou para Nova York. Assim como no começo do filme temos também o conhecimento de que Anders tem pensamentos suicidas.

Ele luta com o fato de que terá que começar sua vida novamente aos 34 anos. Aflito com as escolhas que fez, as oportunidades que perdeu, os relacionamentos que destruiu, Anders passa o dia se reconectando com pessoas do seu passado tentando encontrar alguma forma de encontrar algum pedaço que poderia fazer sentido para ele, tentando encontrar esperança. 

Conforme essas pessoas vão se entrelaçando na história de Anders, acompanhamos algo diferente do típico clichê de personagens que mudam a vida do protagonista. Na verdade, cada um dos seus amigos e familiares estão com angústias, medos, dúvidas, certezas e algumas alegrias diferentes. O que causam certa dúvida em Anders sobre qual caminho escolher.

Com paisagens e locais cada vez mais belos, Anders é apresentado ao emprego, a família, crianças e quanto mais ele se torna espectador da sua própria vida do que participante dela, suas expectativas exaltadas não correspondem ao que ele pode atender, sendo ele o próprio obstáculo para sua felicidade.

Oslo, 31 de Agosto mostra um tema delicado de forma inteligente e lírica, as vezes melancólica, mas muito sóbria. Com diálogos realistas e um final aberto para interpretações, o filme é um convite para reflexões sobre a força motriz de nossas escolhas e se realmente somos capazes de encontrarmos a felicidade plena em algum espaço de nossas vidas.

7 comentários:

  1. Oi, Vanessa como vai? Adorei sua resenha. O filme me parece ser interessante de ser assistido, pois os temas abordados no longa metragem são importantes serem mostrados. Muitas pessoas experienciam essas situações mostradas no filme, infelizmente. Gostei de saber sua opinião sobre o longa metragem. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa,

    Confesso que o filme não é muito meu estilo, mas gostei de conhecer a obra.


    Bjs
    https://diarioelivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa, tudo bem? Mesmo não gostando muito de finais abertos, mas fiquei curiosa com as reflexões. Não conhecia o filme, mas já coloquei na minha lista!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  4. Oi Van!
    Eu não conhecia o filme, mas achei interessante levantar essa reflexão
    é interessante porque as vezes a gente mesmo é o obstáculo de nossa felicidade
    e devem ser paisagens belíssimas, já quero assistir!

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  5. Uau, estou doida para assistir esse filme, ele aborda assuntos muito importantes! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  6. Ainda não havia visto nem lido nada desse filme, mas parece realmente bom!
    Acho perfeito quando filmes são produzidos para abrirmos os olhos, que abordam temas relevantes.

    Bjs,
    Fora do Contexto

    ResponderExcluir
  7. Olá, Vanessa.
    Esse tipo de filme não desperta meu interesse. Acho muito doloroso assistir coisas assim porque acontece tanto na vida real. Eu vejo o que meu vizinhos passam com o filho deles. É muito triste.

    Prefácio

    ResponderExcluir