21/07/2019

 

The 100: Um Hino à Clarke Griffin


SPOILER ALERT!

The 100 é a história de cem prisioneiros adolescentes que são jogados de volta à Terra após um acidente nuclear para testar se os níveis de radiação ainda são altos. Eles foram jogados para a morte, mas ao chegarem na Terra não só descobrem que podem viver aqui, mas que não estão sozinhos.

Com essa premissa, The 100 começa sendo apenas um seriado adolescente da CW e em seus primeiros 4 episódios a série realmente fica nesse nível. Em algum ponto enquanto você continua, a violência, questões morais, políticas, filosóficas, ficção científica, distopia e outros conjuntos de elementos vão se unindo para criar algo novo e digno de uma obra refrescante e excelente em vários pontos.

A representação feminina da série é excelente e rende vários posts futuros, vemos mulheres como médicas, engenheiras, guerreiras, soldados, o elenco principal é em sua maioria feminino e no centro de tudo acompanhamos essa história com a protagonista Clarke Griffin.

Clarke Griffin é definitivamente uma das personagens femininas mais poderosas na história da televisão. Em mares, em que as personagens femininas estão em mais destaques em sua maioria como heroínas na margem dos cinemas, com poderes, com força bruta que pode sair muito bem numa briga de bar é refrescante assistir uma personagem de força interior.

Clarke é sensível, ela cai, ela chora, ela tenta de novo, ela provavelmente não venceria uma briga de bar, mas ela lutaria se precisasse. Mas há uma coisa na qual ela é muito conhecida: Ela não desiste, e no espectro em que sua personagem vive, a decisão correta nem sempre é a que precisa ser tomada.

Essa jovem mulher vulnerável e às vezes insegura tomou o fardo de ser a líder do seu povo sem pedir por isso, ela abraçou essas escolhas, responsabilidades e esses dilemas e como ela mesmo diz: “Eu aguento para que eles não tenham que aguentar”. Ela sozinha por seu povo fez aliados, formou estratégias, venceu guerras e tomou decisões duvidosas, Clarke tomou decisões erradas várias vezes e se arrependeu disso, ela errou e colocou pessoas em risco, ela tomou decisões que salvou a todos.

No lugar dela, muitos já teriam desistido. Clarke perdeu muito durante as cinco temporadas, seja a morte de seu pai acusado de traição por sua própria mãe, seja a morte de Finn – na qual ela mesma matou para não causar mais sofrimento à ele e alcançar uma trégua com o povo de Lexa -, a morte de Lexa que lhe causou um trauma emocional que ela ainda não superou, ou então ficar seis anos sozinha na Terra. Ela perdeu tudo pela sobrevivência dela, dos seus amigos e da humanidade. Ela sacrificou sua própria felicidade pela felicidade de todos a sua volta. Ela é uma líder, madura, sábia e cheia de força.


No final, Clarke é uma personagem incrivelmente complexa que oferece muito em desenvolvimento, que chegou na Terra como garota privilegiada acreditando fortemente em regras e que se tornou a líder do seu povo. A Comandante da Morte (Wanheda), a líder do 13º Clã, a última sobrevivente da Terra, a filha que se tornou mãe, a heroína que erra mais do que acerta porque é apenas humana, porque tem fraquezas, mas é incrivelmente forte e resiliente e faz o necessário porque ninguém mais o faria.

Clarke é uma heroína, um enigma e uma joia da TV.

Vanessa de Oliveira

8 comentários:

  1. Que interessante!
    Ela é a principal e lembro no primeiro episódio, mas confesso que a série não me conquistou logo de início e não continuei mais hehhehehehe
    Mas interessante esse ponto de vista que você levantou a bola e sempre alguém tem que fazer algo, mas que bom que foi ela que teve a atitude e nos dá tb uma inspiração de força, né?

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  2. Oi Vanessa, eu não vi a série ainda, apesar de ter lido resenhas muito positivas, mas voc~e me convenceu do quanto a personagem é boa!!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Não assisti a série, então não a vi nessa personagem, mas não tenho dúvida que ela esteja fazendo um trabalho e tanto em The 100!

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Comecei assistir essa série,mas não terminei a primeira temporada.
    Achei bem interessante a evolução da personagem. Quem sabe eu não dê outra chance á série?

    Beijos
    https://construindoestante.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Olá, Vanessa.
    Eu gostei bastante do livro, por isso fui assistir a série. Mas inventaram tanto e seguiu um rumos diferentes que acabei parando de assistir. Mas pretendo assistir um dia. E acredito que peguei uns spoilers ai hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Oi Vanessa, td bem?
    Eu adoro The 100, sempre digo q é umas das melhores séries da atualidade, com qualidade e trama absurdos!
    Todos os personagens são fortes e extremamente bem desenvolvidos né?
    Mas as femininas realmente dão um show! A Clarke é ótima!
    Bjs
    A Colecionadora de Histórias - Blog

    ResponderExcluir
  7. Confesso que quando foi lançada a série eu comecei a assistir. Assisti toda a 1ª. Mas depois não quis mais porque achei que era muita matança para mim hehehehe. Mas gosto da história, da ideia da narrativa.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi, Vanessa

    Eu ainda não assisti a série, mas pretendo. Gosto muito de personagens femininas fortes e gostei de saber que temos uma mulher assim na série.
    Só achei que faltou um aviso de spoiler, já que você falou de morte e tal. Rs

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir