06/04/2018

 

Resenha: O pequeno príncipe

"Os adultos nunca conseguem compreender nada sozinhos, e é cansativo para as crianças ter sempre que explicar as coisas para eles".

Titulo: O Pequeno Príncipe
Autor: Antoine de Saint-Exupéry
Páginas: 129
Editora Geração 
Edição: 6ª

O avião de um piloto sofre uma pane e cai sobre o Saara. Sozinho e sem muitas opções, se vê obrigado a começar o conserto por si só, caso contrário, morreria de sede. Após uma noite dormindo no deserto, eis que surge um menino, o pequeno príncipe, despertando-o com uma doce voz. Para início de conversa, tudo que ele quer é que o piloto faça alguns desenhos e explique alguns dos seus diversos questionamentos. A partir daí, começamos a entender melhor a origem dessa criança tão intrigante e curiosa.

"Onde moro ninguém andando sempre em frente pode ir muito longe...", pg 21.

Devido as informações recebidas, o piloto acreditava que o planeta do pequeno príncipe era o Asteroide B612. Mas houve um motivo para este menino ter saído de lá e também uma longa caminhada antes de chegar no planeta Terra.

No Asteroide B612 sempre teve flores que desabrochavam pela manhã e murchavam durante a noite, eram simples e não incomodavam ninguém. Mas um broto diferente havia germinado naquele lugar, e por conta da curiosidade, o príncipe cuidou dela até desabrochar. A flor se tornou um botão belo, tão belo que o pequeno príncipe passou a apreciá-la profundamente. Porém, a falta de modéstia, o orgulho e rudez em vários momentos por parte da flor, fizeram o menino sair de seu planeta e começar uma longa jornada para se ocupar e se instruir.

"Como as flores são complicadas! Mas eu era ainda muito jovem para saber amá-la", pg 45.

Antes de parar na Terra, ele viajou por seis Asteroides: 325, 326, 327, 328, 329 e 330, nesses pequenos lugares ele se encontrou com personagens bastante curiosos e que, de certa forma, refletem nossa realidade. Mas eu vou destacar, o que foi para mim, o melhor momento deste livro. No capitulo XX, o pequeno príncipe se depara com um jardim cheio de rosas, muito idênticas a sua flor, aquela que ele deixou para trás em seu planeta. Naquele momento ele se sentiu muito triste, pois pensava que sua rosa era única.

"Eu me julgava importante por possuir uma flor inigualável. Agora me dou conta de que se trata de uma rosa como outra qualquer", pg 93.

E então aparece uma raposa, personagem que traz uma reflexão muito profunda sobre o sentido do amar e sobre a importância de cativar. A rosa era bela como muitas outras, mas ela cativou o pequeno príncipe, isso a fez única. É como a vida real, quando cativamos ou nos deixamos cativar, criamos uma intimidade, conhecemos melhor quem está perto. Começa a ter uma ansiedade para se aproximar e viver cada momento, e o mais importante: cativar é o que nos diferencia das outras pessoas.

"O essencial é invisível aos olhos", pg 101.

Fascine quem você ama, não deixe o seu lado sensível morrer durante a vida adulta, o amor tem que ser maior que todos os defeitos existentes nesse mundo. Há momentos que precisamos olhar como uma criança e captar que há muito o que sentir e viver durante nossa trajetória. As vezes é bom deixar os números e a exatidão sobre as coisas de lado e brincar, sonhar como uma criança.

Bruna Domingos

6 comentários:

  1. Oi Bruna,
    Eu acho que li O Pequeno Príncipe na época errada da minha vida.
    Confesso que não achei incrível como a maioria diz, mas respeito a originalidade e delicadeza da obra.
    Beijos
    https://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um livro muito sensível, vale a pena dar mais uma chance ;)

      Excluir
  2. Não vou mentir que eu tinha um preconceito com a obra, mas quando li me apaixonei pela história.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Oi
    eu ainda preciso ler esse livro e comprar ele, sempre falam tão bem e eu nunca li, gostei da resenha.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Esse livro é tão lindo e tão perfeito, dizem que se o lermos em alturas diferentes da vida vamos tirar sempre lições novas dele! Eu li-o pela primeira vez quando tinha 16 anos, quero um dia voltar a ler! =)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esse livro, acho que todo mundo deveria ler e me deu até uma vontade de reler de tão fofo que é <3

    Beijinhos
    tipsnconfessions.blogspot.com

    ResponderExcluir